segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Grafite com DJ Micha

Viaje pela Mata

Ver essa foto no Instagram

Hoje é o Dia dos Povos Originários da América, como aprendemos na escola "Dia do Índio". Mas quem são estes seres que vivem no meio do mato, que para alguns apenas ocupam terras que poderiam estar servindo para plantar soja ou qualquer outro processo produtivo? Por que devemos respeitá-los? São pessoas cujos ancestrais chegaram aqui muito antes de nós. Alguns ainda vivem isolados na floresta. Outros, já catequizados, evangelizados, urbanizados, tiveram sua cultura reduzida ao longo de décadas de história do homem branco europeu capitalista em busca da dominação e riqueza. Hoje vemos guaranis, kainguangues e outras etnias pela nossa cidade tentando sobreviver e ter o mínimo de qualidade de vida, produzindo e vendendo seus artesanatos, ou pedindo com honestidade e sinceridade ajuda. Meu amigo Charles Huber @cshuber esteve ano passado numa aldeia do Acre para uma vivência pessoal, chegando lá viu que morar no meio da selva Amazônica não era bem assim como se pensa. As dificuldades são grandes, inclusive para se beber água. Pensando nisso desenvolveu o projeto de extensão "Água de beber para a Aldeia Altamira" dos Huni Kuin e lá fez uma série de fotos que estão expostas no @ifsul_oficial Câmpus Pelotas até 17/05. Em paralelo pensei em produzir uma arte, vi algumas árvores no jardim da escola e imaginei uma série de desenhos dos Huni Kuin, ao som de seus cânticos e rezos, projetados em suas folhas, a qual dei o nome de "Viaje pela Mata". Apresento um fragmento do resultado dessa obra produzida por diversos indígenas, pela luz e pelas plantas que, em sua geometria fractal possibilitaram essas projeções. Uma tentativa de resgate do ser humano natural, da consciência de que somos todos seres da natureza, vivendo em uma grande colônia, interagindo e fazendo parte de um mesmo planeta que possui suas próprias regras naturais de evolução. Minha gratidão a todos os povos originários por serem os guardiões dessa centelha divina de consciência de que somos todos da mata e guardiões do conhecimento biológico das plantas, animais e da vida! . #diadoindio #direitoshumanos @midianinja @revistapiaui #indio #xamanismo #xamanism #natureza #arte

Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em

Ver essa foto no Instagram

"Viaje pela mata", instalação que organizei para a exposição fotográfica "Água de Beber" do amigo Charles Huber @cshuber que esteve no Acre com os índios Huni Kuin em um projeto de extensão auxiliando na melhoria e cuidado com as nascentes e olhos d'água que abastecem a aldeia. A exposição abriu hoje no @ifsul_oficial Câmpus Pelotas, as projeções vão até dia 18/04 e as fotografias até 17/05. Dia 19/04 Dia dos Povos Originários da América. Visitem!!! . . . #diadoindio #hunikuin #projeção #amazonia #acre #floresta #arte #instart #arteindigena #pelotas #riogrande #cassinobeach #ifsul #dailyart #desenho #grafismo #grafismoindígena #aguadebeber #hologram #holographic #virtualreality #art #holograms @midianinja @revistapiaui

Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em

Rainha do Mar

Ver essa foto no Instagram

Lembro da primeira vez que visitei a igreja de Nossa Senhora dos Navegantes em São José do Norte. Era anos 80, devia ter uns cinco anos. Nessa época passava meus verões no Clube Náutico Honório Bicalho onde milhares de pessoas iam no dia 02 de fevereiro ver a procissão marítima, fazer suas orações e deixar no mar suas ofertas. Tempo depois pude ver a Festa de Iemanjá no Cassino, ainda nos anos 90, maior que o Carnaval. Outras milhares de pessoas compareciam seguindo as procissões, assistindo aos trabalhos nas tendas e entregando também no mar suas oferendas. O conservadorismo branco patriarcal burguês batia na Festa de Iemanjá. A mídia reclamava das oferendas na praia, mas raramente reclamava da poluição das fábricas de fertilizantes. Aos poucos fui entendendo que o lamento poderia se tornar celebração. Que a dor pode levar à vida. Que a cultura humana é tão diversa que o sincretismo religioso nada mais é do que a união dos povos, de crenças, que se unem, se reforçam e comungam. Iemanjá, Odoiá, Nossa Senhora dos Navegantes, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora da Conceição, são todas e uma. A energia criadora, a energia feminina, a mulher, a mãe, a vida, a que provêm. Iemanjá tem algo a mais. De todas as santidades populares que conheço é das poucas que exalta a potência feminina. Não é virgem e é mulher em todas suas qualidades, sua beleza, sensualidade, sexualidade e alegria. E traz junto a potência do tambor rufando o OM, o som que os hindus consagram e que ressoa em todo o universo, tão antigo quanto qualquer outra criação humana. Uma festa africana que se encontra no Sul do Brasil com uma festa açoriana e juntas celebram a mesma força, a mesma energia, a superconsciência natural e cósmica que nos dá a vida e se torna fé! . Desenho produzido sob inspiração dos artistas Zé Darci, @tadeuvilani , @camilagrandoo , @carlasonheim @marc.chagall_ . . . #iemanja #odoiá #sketch #sketchbook #doodles #doodle #nossasenhoradosnavegantes #xamanismo #santodaime #natureza #desenho #illustration #ilustração #mar #sea #cassinobeach #riogrande #vida

Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em

3º Espraiar do Cartum Gaúcho acontece na Praia do Cassino

Feira do Livro da FURG e a Usina das Artes

Nosso livro "O Boto Charlie"

Ver essa foto no Instagram
Pessoal!!! Livro "dO Boto Charlie" chegando daqui a pouco e teremos o pré-lançamento hoje e amanhã o lançamento na banca da Usina das Artes. Aí vai um release: . Acontece neste sábado na banca de publicações independentes de autores de Rio Grande, Pelotas e região, a Usina das Artes, o lançamento do livro infantil "O Boto Charlie", escrito pelo poeta rio-grandino Ivonei Peraça e ilustrado pelo cartunista Wagner Passos. Contando a história de um boto que nasceu e cresceu na Laguna dos Patos, Charlie viu os peixes sumirem, a água trocar de cor e a lama da dragagem surgir na praia. Tem como principal amigo um pescador artesanal e sonha com a volta do ser humano como seu guardião, o qual esqueceu disso devido a ganância e seu afastamento da natureza. Em Rio Grande existem aproximadamente 90 botos entre a Laguna dos Patos, Praia do Cassino e Praia do Mar Grosso e podem ser vistos pescando tainha, saltando no nascer do Sol junto aos molhes ou na proa dos navios. A Usina das Artes convida também para a exposição "Cartunistas pela Liberdade", atividade do 3º Espraiar do Cartum Gaúcho, que trará para a Feira do Livro da FURG, nos dias 28 e 29/01 (segunda e terça-feira), os principais cartunistas do Rio Grande do Sul,entre eles Santiago, Edgar Vasques e Alexandre Beck, o criador do personagem Armandinho. O livro "O Boto Charlie" tem 24 páginas coloridas em aquarela e em papel couchê e propõe para além de um livro infantil de educação ambiental, uma reflexão sobre a as belezas de Rio Grande, a amizade, a família e a natureza. . #illustrate #illustration #drawing #painting #draw #drawings #drawingoftheday #drawsomething #artjournal #creativeprocess #sketchbook #sketch #doodle #graphicdesign #digitalart #digitalpainting #adobeillustrator #photoshop #illustrator #vectorart #digitalillustration #artistsoninstagram #instaart #instaartist #illustratorsoninstagram #wip #illustrationoftheday #creatives #doodles  #art #graphicdesign @children_illustrations @childrensillustrators @illustration_best @artguide_illustration
Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em

Ilustração "O Boto Charlie"

Ver essa foto no Instagram
Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em

Boto do Caminho Marinho

Ilustração, música e Brasil

Ver essa foto no Instagram
Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em

Exposição "No Coração do Mundo"


Realizada em março de 2016 na sala de exposições do Curso de Artes Visuais da FURG, apresentei a exposição "No Coração do Mundo", que reúne desenho, música, instalação e performance por meio de contação de histórias indígenas. Este trabalho tem por objetivo pesquisar, entender e difundir a cultura e o grafismo indígena utilizando tinta especial que é vista somente em salas escuras com luz ultra-violeta.

Grafite "Ode aos Jogadores de Damas da Tamandaré"

Stencil

Autógrafo

Ver essa foto no Instagram

Autografando o livro "O Sapo Felício e o Jacaré Dentuço" na banca de publicações independentes da Usina das Artes na Feira do Livro da Furg / Autographing the book of The Frog Felício and the Alligator Buckteeth" in bank publications independent of Arts Plant in fair book of Furg #illustrate #illustration #drawing #painting #draw #drawings #drawingoftheday #drawsomething #artjournal #creativeprocess #sketchbook #sketch #doodle #graphicdesign #digitalart #digitalpainting #adobeillustrator #photoshop #illustrator #vectorart #digitalillustration #artistsoninstagram #instaart #instaartist #illustratorsoninstagram #wip #illustrationoftheday #creatives #doodles #art #graphicdesign @children_illustrations @childrensillustrators @illustration_best @artguide_illustration

Uma publicação compartilhada por Wagner Passos (@wagnerpassoscartum) em